segunda-feira, 8 de outubro de 2018

Registro das Eleições 2018

No dia anterior à votação:

"Algumas considerações finais antes da votação de amanhã:

- De fato, fiz campanha pra Ciro até maio, quando ele deu aquela declaração desastrosa contra Holiday, por Holiday ser negro;

- Mudei pra Marina, especialmente pela minha convicção nas ideias do seu vice, Eduardo Jorge, e pela qualidade do staff dela;

- Marina derreteu nas pesquisas... possíveis motivos são vários, meu palpite é que faltou ela ter um 'algo diferente' próprio dela, faltou conquistar corações e mentes;

- Continuo censurando Ciro por ter apostado no Fla x Flu, e por declarações de ódio contra seus adversários, mas hoje ele é a única esperança de evitar um 2o turno entre PT e Bolsonaro;

- Não, se o PT vencer não seremos uma Venezuela. Serão 4 anos difíceis, mas sobreviveremos, e o Centrão terá um papel fundamental para evitar excessos;

- Não, se Bolsonaro vencer não seremos uma Turquia. Serão 4 anos difíceis, mas sobreviveremos, e o Centrão terá um papel fundamental para evitar excessos;

- Isso que os bolsominions fizeram nesta eleição é exatamente o que os petistas fizeram contra Marina em 2014, e contra Cristovam Buarque no DF. Já posso chamar os petistas de 'fascistas' também?

Que a gente lembre que escolhas políticas tratam de pontos de vista, que são sempre diversos e complementares. Em política, você pode estar totalmente equivocado, sem ser um idiota ou um canalha. Um parente ou amigo que vota diferente de nós não deixa de ser uma pessoa boa no seu círculo privado apenas porque votou diferente de nós. Mas uma pessoa que comete grosserias e agressões por política, mesmo que 'por um bem maior', isso sim diz muito sobre o caráter dela.

Que venha o domingo. Serão 4 anos sombrios depois. Mas nós sobreviveremos".


Imediatamente após a apuração:

"Cada vez que um filhinho de papai ou uma patricinha de classe média chamam o pobre conservador de 'fascista', apenas porque este vota num candidato X, só reforça o voto no tal candidato X.

O crente humilde, trabalhador, que só quer ter o direito de escolher um candidato sem ser julgado ou rotulado pelos 1% da elite intelectual, ele não vai mudar de ideia por causa dessa rotulação. O ódio apenas alimenta mais ódio. Nada fez mais pela campanha do Bolsonaro do que o #elenão. Mas a esquerda quer continuar dialogando apenas com os mesmos 20, 25% que concordam com ela.

Qual é a diferença entre a rotulação odiosa que um bolsominion faz contra gays, e a rotulação odiosa que a elite hipster faz contra o pobre que vota em Bolsonaro? Para fins de ódio na política, nenhuma!

Em tempo: eu ainda acredito que a razão possa vencer o ódio. Mas pra isso teríamos que ter no Brasil uma Angela Merkel, um Barack Obama. E isso, só em 2022".


Quem sabe quantos realmente vão ouvir esses dois apelos nos próximos anos, ou vamos continuar apenas com esse Fla x Flu em que todos perdem?

Nenhum comentário:

Postar um comentário