sábado, 14 de setembro de 2019

Em Defesa do Tio Bolsominion

Não, eu não acho legal nossos pais, mães e tios, nascidos entre 50 e 70, terem virado todos eleitores do Bolsonaro. Não concordo com o punitivismo barato e com sede de sangue que os defensores da Lava-Jato professam. Me impressiono que boêmios e voluntaristas do passado, self-made men, agora sejam defensores do Estado-babá e do conservadorismo mais moralista e hipócrita.

Mas também não concordo com a arrogância da minha geração e da geração seguinte, criadas ou já nascidas na internet banda larga, em se achar os detentores da verdade, moralmente superiores apenas porque conseguem distinguir um hoax ou uma fake news no Whatsapp (coisa que os nossos coroas não sabem).

Nossos coroas cresceram em outro Brasil. Não puderam problematizar a política, porque a Ditadura, esta mesma Ditadura que agora eles defendem com saudade, não deixou que eles construíssem um pensamento critico na política. Nossos coroas perderam tudo com a inflação e os sucessivos planos desastrosos na economia, e mesmo assim não viveram num Brasil que os permitisse entender a importância que o Plano Real teve para o país (pois hoje chamam FHC de comunista).

Nossos coroas pensam de forma hegeliana: elegem valores abstratos, e abstratamente (e erroneamente) projetam em Bolsonaro esses valores. Mas se nós mesmos erramos, pois foi nossa geração que potencializou e tirou do armário o Fla x Flu (nossos coroas apenas aderiram a esse modus operandi), porque eles também não podem errar?

O que faz de nós os donos da verdade? Outrossim, somos mais maliciosos para a política dos novos tempos, mas estamos bem, bem distantes, de sabermos o caminho certo. Se nossos coroas erraram com Bolsonaro, nós erramos com Dilma. Estamos quites. Deixemos de arrogância.

Especialmente porque eles nos criaram, num Brasil em pobreza extrema nos anos 80, e nos deram tudo o que nós temos hoje. Especialmente porque os valores que nós arrogantemente arrotamos possuir, foram eles que nos passaram, ainda que traduzidos de outra forma: perseverança, coragem, abnegação, altruísmo.

É uma pena que nossos coroas enxerguem em Bolsonaro esses valores? Sim, não apenas uma pena, mas um erro crasso de julgamento que o tempo irá mostrar a eles. Mas por ora, que tal deixarmos o tempo fazer o seu trabalho, e nos abstermos de rebater hoaxes e fake news que nossos coroas compartilham de boa fé?

Deixem eles pensarem que Bolsonaro vai combater a corrupção e salvar o Brasil. Em menos de dois anos estarão arrependidos, como se arrependeram de votar no PT (sim, a maioria dos nossos coroas era lulista há 15 anos) após o Mensalão. E sejamos moderados com o "eu avisei" em 2022, ok?

Que o amor seja mais importante dentro das nossas famílias do que a banalidade de "ter razão".

Nenhum comentário:

Postar um comentário